Página Inicial      Curriculum      Serviços        Publicações       Notícias         Contato         Agenda

 

O Caramujo Humano

 

Estamos sempre preocupados com o outro, em busca do outro, desejando o outro, mas quem é este outro?
O outro é o nosso grande espelho, que nos aplaude diante de nossas vitórias, retratando o nosso potencial. Reflete também ás vezes, a imagem que não aprovamos e então negamos nossas limitações, dores, frustrações e projetamos neste outro, grande parte de nossos problemas.
Ao negarmos nossos sentimentos de medo, raiva, tristeza; sufocamos também, as demais emoções, como: alegria, amor, etc. Nossa sensibilidade fica congelada, deixamos que a racionalização, seja o piloto de nossas vidas.
O outro passa a atuar como espelho de nossos sentimentos e contradições. Da parte que não gostamos, mas que é nossa, como não a suportamos e não admitimos a sua existência, colocamos neste alguém.
Quanto mais cresce nosso incomodo em relação ao que foi projetado, mais o criticamos e o denunciamos. Ele torna-se o nosso perseguidor, para nos defendermos do mesmo, construímos couraças e, nos escondemos dentro delas.
Efetuando uma metáfora entre o homem e o caramujo, assinalo pontos comuns e divergentes. Ambos utilizam couraças para se protegerem e as carregam como fardos necessários para sua sobrevivência.
Pontos divergentes, muitas vezes os caramujos não são vistos, mas sabemos que estão encolhidos em suas casas. O homem expõe a sua imagem, só que não sabemos se esta é a imagem real, ou a idealizada. O caramujo pode sair de sua casa, no momento que desejar. O homem quanto maior o medo, mais reforçará a armadura, aumentando a dificuldade em sair, tornando-se prisioneiro de sua própria defesa.
Este outro, agora tem nome, chama-se MEDO. O medo é construído por suas fantasias, inseguranças e o desconhecimento de si mesmo. O inimigo não está fora, não é o Outro, o inimigo está dentro de si mesmo. Ele está atado ao inimigo, ele está amarrado ao próprio medo.
O medo às vezes está mascarado e, representado em outros comportamentos. O medo maior do ser humano é: de perda, abandono, desqualificação, não ser amado e, da morte.
Como vencer este inimigo?
 

 

 

 


Fazendo o enfrentamento do medo, sempre que necessário, mesmo que seja difícil. É na interação entre nossas potencialidades e limitações. É no confronto dos contrastes, ora espontâneos, naturais, em outros momentos, utilizando posturas mascaradas, no intuito de nos sentirmos mais seguros.

É neste processo gradual de ir e vir, na busca de desatarmos os nós, que quebraremos as sufocantes couraças. Aflorando a liberdade, o respeito por si mesmo.
Nesta metamorfose do auto-conhecimento, mergulhamos no mar de nossas emoções, na busca da ostra, cuja pérola, representa nossa sabedoria.
A sabedoria não se obtém com a soma dos conhecimentos, mas sim, com um novo olhar para tudo aquilo que não é desconhecido, mas é percebido diferente, dando novas dimensões, novos sabores, aflorando as potências adormecidas. Assim começamos a ficar maravilhados com nós mesmos. O florescer do nosso potencial natural passa a ser intensificado, a borbulhar e, então compreendemos que o nosso brilho não era reflexo de um simples zircone, mas sim, de um Diamante verdadeiro.

Autoria, produção e publicação: Claudete de Morais

Psicóloga com formação Psicanalítica

CRP/12/01167

Direitos Autorais Reservados.

Proibida Reprodução.

 

Comente e leia comentários deste artigo

 

 

 

 

[Página Inicial] [Curriculum] [Serviços] [Publicações] [Notícias] [Contato] [Eventos]

Claudete de Morais - Psicoterapia - Psicanálise - Hipnoterapia