O peso do nada

Com o sentimento de nada ser;
O ser se encolhe, sem aparecer.
De tanto ouvir que nada é capaz de fazer;
Passa a crer que nada sabe fazer.

A dor cresce, o brilho desaparece.
O sonho desvanece, o ser embrutece.
No meio do nada, o ser entristece.
Estagnado no nada, assim é seu viver.

Acreditando ser um nada, o ser cresce.
Lutando contra o peso do nada;
O ser enfurece, se arma para viver.
No olhar a desconfiança, no peito o desejo de vencer.

O gesso do nada é fruto do desafeto;
Do olhar gélido, da palavra que fere;
Da comparação que humilha e mutila;
Da rejeição, da inadequação, da exclusão.

O sentimento de nada ser;
Deixa marcas no corpo e na alma deste ser.
Atado no peso de nada ser;
Direciona suas escolhas e a vida que passa a ter.

O peso do nada fomenta a raiva e a revolta.
Raiva que fermenta dentro deste ser.
Arrebenta, violenta o ser;
Envenenado fica seu viver.

O peso de nada ser;
O peso de nada fazer;
O peso de nada dizer;
O peso de nada receber.

O peso do nada determina padrões comportamentais.
Na ciranda da vida estamos a observar:
O ser frente ao nada e, como é este lidar;
Vemos bem definido várias formas de lidar.

Com um padrão comportamental agressivo, verificamos:
De agredido passa a agressor, expurgando o fel;
Contaminando seu ambiente, despertando medo e pavor;
Agredindo a todos que estão ao seu redor.

Com um padrão comportamental masoquista, verificamos:
O peso do nada passa a dominá-lo.
Acreditando que não é capaz, não reage.
Constrói um mundo triste sem opções e, submetido fica.

Com um padrão comportamental de superação, observamos:
Busca a superação, raspando o gesso e o fel que o modelaram.
Deixa aflorar seu potencial natural e este mar de contradições.
Liberta o que não é seu e, deixa o novo ser florescer.

Transforma o nada, em tudo buscar e desafiar.
Nesta busca se encanta, deixando o seu brilho aflorar.
Ao longo da caminhada, num aprimorar constante;
Descobre que seu brilho, tem o esplendor do diamante.

 

Autoria: Claudete de Morais

Doutoranda em Psicologia Clinica

CRP/12/01167

 

  • imagem

Comentários

--Nenhum comentário no momento--

Novo comentário

Observação: Seu comentário será moderado antes de ser exibido aqui.